Sindicalize-se agora!
20 de maio de 2018
MENU 11 3363.3310

13 de outubro de 2015

Imprimir

Vigilante vítima de assalto dentro de agência bancária deverá ser indenizado

A 2ª Turma Recursal do TJDFT confirmou sentença do 1º Juizado Cível de Santa Maria que condenou o Banco Santander a indenizar, em danos materiais, um vigilante que teve seu telefone celular subtraído durante assalto no local de trabalho.

Diante da tentativa infrutífera de ressarcimento junto à instituição financeira, o autor requereu a condenação do réu ao pagamento de indenização pelo prejuízo suportado, comprovando, por meio de nota fiscal, o valor de R$ 2.115,00, referente ao aparelho.

No decorrer do processo, restou apurado que, além do aparelho celular, também foi subtraída a arma que o autor portava e a quantia de R$ 60 mil do banco. O fato foi comunicado à polícia, conforme ocorrência policial juntada aos autos, a qual corrobora a versão do autor.

Ao analisar o feito, o juiz originário registrou que, “considerando que na atualidade a atividade bancária é notoriamente de risco, a instituição financeira tem o dever de resguardar a segurança de todos aqueles que estejam no interior da agência”. E mais: “se a instituição financeira permite o funcionamento de uma agência bancária sem os meios de segurança suficientes para evitar a prática de ilícitos, deve suportar todo e qualquer prejuízo decorrente de crime ocorrido no local, sobretudo diante da previsibilidade do evento, sendo certo que o fato de a vítima ser o vigilante do estabelecimento não afasta a responsabilidade, uma vez que nesse caso o profissional é equiparado ao consumidor (CDC, art. 17)”.

Em fase de recurso, o banco teria alegado que o assalto ocorreu por culpa exclusiva do autor, que não cumpriu com o seu dever de zelar pela segurança da agência.

No entanto, a Turma entendeu que constitui obrigação das instituições financeiras a garantia da segurança de seus consumidores e funcionários, ressaltando que o fato de a agência estar situada no interior de uma universidade, cujo acesso é liberado a qualquer pessoa e onde não há sistema de triagem de visitantes, retira do vigilante a culpa pelo crime ocorrido. A tese de caso fortuito ou força maior também foi afastada pelos julgadores, por ser o roubo fato previsível na atividade bancária.

Processo: 2015.10.1.000670-8

Fonte: Âmbito Jurídico - 13-10-2015 - http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=visualiza_noticia&id_caderno=&id_noticia=134601

Mais notícias

18 maio 2018

Se a economia está melhorando, por que a falta de trabalho bate recorde?

A economia do país está melhorando devagar, mostram indicadores oficiais mas, então, por que ainda há muito desemprego? Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados na quinta-feira (17) mostram que falta trabalho para 27,7 milhões de pessoas, um recorde desde a criação dessa série histórica, em 2012. O economista Thiago Xavier, analista da Tendências Consultoria, diz […]
18 maio 2018

Bom dia CONTRASP

      Acesse o link e confira as edições do boletim eletrônico da CONTRASP. Bom Dia CONTRASP
17 maio 2018

Servidores querem eleger bancada para barrar reforma da Previdência

Para entidades que representam o setor, o ideal é eleger uma bancada com mais de 308 dos 513 deputados para derrubar ainda a PEC do Teto dos Gastos, editada em 2016 para conter despesas De olho nas eleições deste ano, entidades de servidores públicos começaram a se organizar para criar uma bancada expressiva de apoio […]
17 maio 2018

STF dá um passo na análise do ganho real da aposentadoria acima do mínimo

Tribunal determina que decisão, quando for tomada, será de “repercussão geral”, para todos os casos O STF (Supremo Tribunal Federal) irá decidir se os benefícios do INSS podem ser revisados para receber reajustes anuais iguais aos aplicados ao salário mínimo, quando essa alternativa for a mais vantajosa para o segurado. Submetido ao plenário virtual pelo […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo Segurança Privada – Outubro 2017

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083