Sindicalize-se agora!
13 de dezembro de 2017
MENU 11 3363.3310

2 de junho de 2017

Imprimir

Bancos responderão por verbas de vigilante terceirizado que prestava serviço a eles

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou o Bradesco S.A. e o Santander (Brasil) S.A. a responder subsidiariamente pelas obrigações trabalhistas de um vigilante de carro-forte contratado pela RRJ Transporte de Valores, Segurança e Vigilância Ltda., que prestava serviço de coleta e transporte de valores de forma simultânea para os dois bancos. Os bancos contestavam a condenação subsidiária por todo o período do contrato de trabalho, mas a Turma considerou que o fato de terem se utilizado da força de trabalho do vigilante é suficiente para se reconhecer a sua responsabilidade, independentemente da simultaneidade na prestação de serviços.

O tema é tratado pelo item IV da Súmula 331 do TST, “que nada dispõe a respeito”, segundo o relator, ministro José Roberto Freire Pimenta, sobre a simultaneidade na prestação de serviços para se reconhecer ou não a responsabilidade subsidiária. A decisão da Turma derruba o entendimento do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP), que isentou as instituições da responsabilidade, reformando sentença proferida pelo juízo da 16ª Vara do Trabalho de São Paulo.

Pulverizada

Segundo a defesa, a sentença não observou que o tomador de serviços é responsável subsidiário por eventual verba devida ao empregado, porém com limitação ao período em que se beneficiou da força de trabalho do prestador. “Cuida-se de prestação de serviços com múltiplos tomadores, conhecida como prestação de serviços ‘pulverizada’, sendo impossível aferir por qual período o prestador de serviços favoreceu um ou outro banco”, sustentou.

O TRT paulista entendeu que não havia como responsabilizar de maneira genérica o Bradesco e Santander, porque as provas apontam no sentido de que o trabalho era prestado conforme as necessidades dos clientes da empregadora, não havendo como individualizar eventual prestação pessoal em seu benefício – elemento, segundo a decisão, imprescindível para a condenação.

Ao examinar o recurso no TST, o ministro José Roberto Freire Pimenta disse que a discussão não é sobre o reconhecimento de vínculo empregatício com quaisquer dos bancos, hipótese em que seria essencial a demonstração da exclusividade na prestação dos serviços, mas sua responsabilidade subsidiária pelos créditos trabalhistas do trabalhador. Quanto ao argumento da defesa de que deveria apenas responder pelo período em que o vigilante esteve à disposição dos bancos, e não por todo contrato, o relator disse que não é possível limitar o tempo trabalhado para cada tomador, uma vez que havia prestação simultânea de serviços. “Deve-se concluir que a responsabilidade deve ser estabelecida observando-se o período de vigência do contrato celebrado entre a empresa prestadora do serviço de transporte de valores e as empresas tomadoras desses serviços, os bancos”, concluiu.

A decisão foi unânime.

Processo: 703-76.2015.5.02.0016

Fonte: Jornal JURID

Fonte: CONTRASP - http://contrasp.org.br/noticia/bancos-responderao-por-verbas-de-vigilante-terceirizado-que-prestava-servico-a-eles

Mais notícias

13 dezembro 2017

SC: Criminosos trocam tiros com vigilante de banco durante tentativa de roubo em Florianópolis

Ninguém ficou ferido, segundo a Polícia Militar. Criminosos trocaram tiros com o vigilante de uma agência bancária do Bradesco na Avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis, durante uma tentativa de assalto na tarde desta terça-feira (12), segundo a Polícia Militar. Ninguém ficou ferido. De acordo com o Copom (Central de Operações Policiais Militares), o crime ocorreu […]
13 dezembro 2017

SP: Tarumã tem dois assaltos com criminosos armados no mesmo dia

Em um deles, câmeras de segurança flagraram ladrão atacando um homem dentro de uma agência bancária para levar R$ 54 mil. Três horas depois, um adolescente assaltou uma lotérica. Dois assaltos em menos de três horas, com criminosos armados, assustaram os moradores de Tarumã nesta segunda-feira (11). Um deles foi praticado por um homem, numa […]
12 dezembro 2017

Semana violenta: companheiros na mira da morte em todo o Brasil

Diariamente, vigilantes são mortos, baleados e reféns em ações violentas. A CONTRASP convoca os vigilantes a se unirem na luta pela troca de armamento e extensão do porte de arma em defesa da vida na segurança privada Os vigilantes do país enfrentam criminosos munidos com armamentos de guerra, portando apenas a honra e a coragem. […]
11 dezembro 2017

Sindfort-PE denuncia na Polícia Federal a clandestinidade na escolta armada

O Sindfort-PE está enfrentando uma guerra contra as empresas de transporte de cargas que utilizam a escolta clandestina e, neste momento, pede apoio nacional de todos contra a ilegalidade que virou uma verdadeira catástrofe em Pernambuco. O Sindicato reuniu documentos e denunciou na Polícia Federal a execução irregular do serviço, denunciando inclusive com nome e […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo Segurança Privada – Outubro 2017

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083