Sindicalize-se agora!
18 de julho de 2019
MENU 11 3363.3310

7 de julho de 2017

Imprimir

Temer aceita discutir Imposto Sindical Genérico, diz Sindicalista

Em reunião, presidente teria indicado apoio à ‘contribuição negocial’ após fim de imposto sindical

O presidente Michel Temer indicou em reunião com sindicalistas que o governo vê positivamente a ideia de uma nova contribuição sindical a ser paga pelos trabalhadores que participam dos acordos coletivos. A medida seria uma alternativa ao fim do imposto sindical previsto na reforma trabalhista.

Em encontro realizado nesta quarta-feira, 5, Temer reafirmou o compromisso de ajustar a reforma trabalhista em alguns pontos após eventual aprovação no plenário do Senado.

“O presidente disse que topa fazer a discussão sobre essa proposta de financiamento aos sindicatos”, disse o primeiro-secretário da Força Sindical, Sergio Luiz Leite, que participou do encontro no Palácio do Jaburu. A entidade defende que haja livre negociação entre sindicatos e trabalhadores beneficiados por uma convenção – independentemente de o empregado ser ou não sindicalizado. “Queremos a livre negociação e dar poder para que as assembleias decidam a maneira dessa contribuição”, explicou o sindicalista. O estudo da nova forma de financiamentos dos sindicatos havia sido antecipada pelo Broadcast no início de junho.

Luiz Leite nota que “há tempo suficiente” para a discussão desse novo modelo. “Sancionada pelo presidente da República, a reforma trabalhista entrará em vigor em 120 dias. Não precisaremos atropelar a discussão e vamos caminhar para uma saída que tenha sustentabilidade jurídica”, disse. Além de representantes da Força Sindical, a reunião com Temer também contou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que prometeu apoio à iniciativa e discutirá o tema no Congresso.

Senado aprova regime de urgência para votação da reforma trabalhista

Algumas entidades defendem o fim gradual do imposto sindical, mas esse não é o “Plano A” do Palácio do Planalto. Para o governo, o ideal é acabar com o imposto como propõe a reforma trabalhista e criar o mecanismo da “contribuição negocial” como alternativa de financiamento. Para especialistas do mercado de trabalho, esse novo mecanismo deve fortalecer sindicatos que sejam eficientes nas negociações entre patrões e empregados e enfraquecerá aqueles que não lideram acordos coletivos.

Na reunião, Temer também confirmou aos sindicalistas que alterará alguns pontos da reforma trabalhista se o texto for aprovado sem mudanças no Senado – como quer o governo. Entre os itens que o presidente promete ajustar, está a regulamentação do trabalho intermitente com limitação dos setores e quarentena de 18 meses para um trabalhador formal ser contratado pelo novo sistema, mudança na regra para o trabalho insalubre para grávidas e lactantes e a manutenção da assistência dos sindicatos nas homologações.

Fonte: Força Sindical - http://www.fsindicalsp.org.br/novo/index.php?option=com_content&view=article&id=5559:temer-aceita-discutir-imposto-sindical-generico-diz-sindicalista&catid=2:noticia&Itemid=2

Mais notícias

18 julho 2019

Bom dia CONTRASP

Edição 501 de 2 de janeiro de 2019. Acesse o link e confira as edições do boletim eletrônico da CONTRASP. Bom Dia CONTRASP
27 junho 2019

Dieese analisa relatório sobre PEC 06 e publica Nota Técnica

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos faz análise detalhada do relatório apresentado pelo deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) sobre a PEC 06/2019, editada por Jair Bolsonaro. Para Clemente Ganz Lucio, diretor-técnico do Dieese, houve avanços, mas é preciso estar atento. “Governo e ministro Guedes já sinalizaram que não vão aceitar as mudanças. E podem […]
18 junho 2019

Nota das Centrais Sindicais sobre a greve nacional de 14 de junho de 2019

As Centrais Sindicais, reunidas nesta segunda-feira, 17/06, avaliaram como muito positiva a greve nacional realizada em 14 de junho, que promoveu paralisações em centenas de cidades e em milhares de locais de trabalho, além de atos e passeatas contra o fim da aposentadoria, os cortes na educação e por mais empregos. O sucesso da mobilização […]
12 junho 2019

Metrô, ônibus e trens prometem parar no dia 14

Trabalhadores da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), das linhas 1, 2 e 3 do metrô, 15 (monotrilho) e dos ônibus municipais de São Paulo decidiram aderir à greve geral contra a reforma da Previdência, marcada para dia 14 de junho. Crédito: Divulgação A informação foi confirmada pelos sindicatos que representam as categorias e pela […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo da Segurança Privada – Janeiro/2019

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083