Sindicalize-se agora!
26 de fevereiro de 2020
MENU 11 3363.3310

16 de julho de 2015

Imprimir

Tecnologia de vigilância entrega imagens digitais com equipamento analógico

Antigamente, quem quisesse adquirir um sistema de vigilância em casa ou num estabelecimento tinha apenas duas opções: qualidade analógica ou digital. Essa situação ditava o processo de escolha de materiais e mão de obra, porque há uma estrutura e um treinamento específico para cada tipo de instalação. Além disso, havia apenas duas opções na hora de sacar o cartão de crédito: pagar pouco por uma tecnologia ultrapassada ou pagar muito pelas tecnologias de ponta.



Tudo isso mudou com a chegada de uma tecnologia chamada HDCVI (ou High Definition Composite Video Interface). Ela gera imagem de qualidade digital, mas é instalada como equipamento analógico, o que facilita e barateia todo o processo.



Cabos, acessórios e até o conhecimento técnico necessário são os mesmos de quando se utiliza sistemas analógicos. Isso significa que não é preciso trocar o cabeamento e nem fazer cursos que tratem especificamente sobre HDCVI.



Os investimentos recaem sobre os equipamentos de captação e gravação. A filmagem é feita por meio de equipamento específico, que entrega uma qualidade HD (720p) ou full HD (1080p). A Intelbras, que oferece essa solução, prevê a chegada também da tecnologia 4K – imagens de ultradefinição, em breve.

A solução é especialmente interessante para quem já tem câmeras de segurança analógicas instaladas, mas não está satisfeito com a qualidade das imagens. E há motivos de sobra para essa insatisfação.

Novo patamar

Quando falamos de câmeras de vigilância analógica, boa parte entrega resolução de 352 x 288 – um padrão que os técnicos chamam de CIF. O problema é que, com essa resolução, identificar rostos e, mais, placas de carro, é quase impossível – a menos que os objetos estejam relativamente próximos da câmera. Se estiverem distantes, não tem jeito, a imagem é bem ruim.

Para resolver o problema, só mesmo com câmeras digitais HD ou Full HD. Com esse tipo de equipamento, dá para identificar indivíduos mesmo em áreas amplas. A possibilidade de zoom digital das imagens gravadas é bastante grande. Isso explica porque nesse patamar de resolução é possível ler placas de automóveis, por exemplo.

As câmeras HD e Full HD são digitais e, até pouco tempo atrás só operavam em redes IP – usando cabos de rede de computadores para transmitir seu sinal – e, geralmente, conectadas a um roteador e a um equipamento ou software chamado NVR. Essa distribuição é completamente diferente do mundo analógico, onde as câmeras normalmente usam cabos coaxiais e recorrem a um DVR (Digital Video Recorder) para armazenar suas imagens. 



O padrão HDCVI combinou esses dois mundos, evitando a substituição de toda a infraestrutura na hora de melhorar as câmeras, substituindo as analógicas pelas digitais. 

Fonte: Olhar Digital – 16/07/2015
http://olhardigital.uol.com.br/solucoes_corporativas/noticia/tecnologia-de-vigilancia-entrega-imagens-digitais-com-equipamento-analogico/49765

Jornal SEEVISSP

INFORMATIVO DA SEGURANÇA PRIVADA – JANEIRO/2020

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083