Sindicalize-se agora!
18 de junho de 2018
MENU 11 3363.3310

12 de setembro de 2017

Imprimir

Sindicatos tentam evitar que reforma tire benefícios negociados em acordo

Sindicatos de trabalhadores tentam, em negociações recentes, evitar que benefícios estipulados em acordos sejam eliminados com a implementação da reforma trabalhista e da lei de terceirização, aprovadas neste ano.

A reforma prevê, por exemplo, a prevalência do negociado sobre o legislado na jornada de trabalho, que pode ser estendida para 12 horas diárias, ter horário de almoço menor e negociação individual do banco de horas sem mediação pelo sindicato.

Para se beneficiar desses pontos, as empresas precisam alterar as convenções e acordos coletivos com os sindicatos. Nessas negociações, as centrais tentam se preservar também da terceirização e do trabalho autônomo.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Osasco e Região, ligado à Força Sindical, quer uma convenção que preveja que o legislado prevaleça, mantendo a homologação de rescisões nos sindicatos, uma hora de almoço e a negociação coletiva, e não individual, do banco de horas.

“O empresariado defendeu a negociação, certo? Então estamos propondo manter esses pontos”, diz Miguel Torres, presidente do sindicato. “Os metalúrgicos, nós e os da CUT, estão juntos contra a reforma trabalhista.”

Outras categorias tentam preservar suas convenções ou acordos coletivos, que já são mais benéficos que a lei em outros pontos -os bancários, por exemplo, têm jornada de seis horas, piso para estagiário e auxílio-refeição de R$ 32, benefícios não previstos na lei.

O Comando Nacional dos Bancários, associado à CUT, enviou, em agosto, um termo de compromisso pedindo que não haja terceirização da atividade principal da empresa e que sejam barrados contratos temporários, de tempo parcial e intermitentes. São 21 pontos contra a reforma.

A Fenaban (Federação Nacional de Bancos) não quis se manifestar sobre o termo. A categoria aprovou convenção em 2016, que só será renegociada em agosto de 2018.

“Houve uma mudança profunda na legislação, os empresários estão dispostos a soltar os leões, e os trabalhadores estão tentando se posicionar”, diz Clemente Ganz Lúcio, diretor do Dieese (departamento intersindical de estudos econômicos).

Na negociação em andamento entre as empresas e a Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos (CUT), o Sindipeças (indústria de autopeças) quer retirar da convenção coletiva o reajuste do vale-transporte e a estabilidade no emprego a quem tenha sequela por doença ou acidente.

“As bancadas patronais estão mais ousadas neste ano”, afirma Luiz Carlos da Silva Dias, presidente da federação. “Em julho, apresentamos pauta com ‘cláusulas de barreira’ à reforma. Queremos trazer para a mesa de negociação tudo que estaria previsto, como a terceirização e a prevalência da vontade coletiva sobre a negociação individual.”

O Sindipeças disse à Folha que propôs renovar a vigência de algumas cláusulas, mas que quer negociar outras.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP), ligada à CUT, que negocia com a Petrobras, pediu nas negociações que contratações individuais não fujam das condições pactuadas no acordo coletivo, que não haja terceirização da atividade principal e que demissões em massa e homologações de rescisão continuem passando pelo sindicato.

Os sindicalistas se queixam de a estatal ter prorrogado o acordo coletivo de trabalho de agosto até 10 de novembro, dias antes de a reforma entrar em vigor, “na tentativa de pressionar a categoria a correr contra o tempo, para fechar o acordo a toque de caixa”, segundo a entidade.

Procurada, a Petrobras afirma que prorrogou o acordo “para que a negociação ocorra com tranquilidade e em respeito aos empregados e às entidades sindicais”.

Já a categoria dos comerciários representados pela UGT (União Geral dos Trabalhadores) adiou, em comum acordo com as empresas, a convenção de 31 de agosto para 28 de fevereiro, para que “as coisas se assentem”, segundo Ricardo Patah, presidente da entidade. “Queremos consertar alguns excessos dessa lei, que foi aprovada por demanda empresarial e não contempla os trabalhadores.”

Os sindicatos ainda tentam negociar, com o presidente Michel Temer, uma medida provisória que barre a previsão de que as homologações de rescisão sejam feitas na empresa e a possibilidade de que gestantes possam trabalhar em locais insalubres.

As centrais sindicais e empresários se reúnem com Temer nesta terça-feira (12).

O que mudou com a Reforma Trabalhista

Fonte: Folha de S. Paulo

Fonte: Força Sindical SP - http://www.fsindicalsp.org.br/portal/2017/09/11/sindicatos-tentam-evitar-que-reforma-tire-beneficios-negociados-em-acordo/

Mais notícias

18 junho 2018

Bom dia CONTRASP

      Acesse o link e confira as edições do boletim eletrônico da CONTRASP. Bom Dia CONTRASP
13 junho 2018

Empresa Corpvs de segurança persegue diretoria sindical para acabar com atuação da entidade no CE

O objetivo da empresa é acabar de vez com os direitos dos trabalhadores O SINTRASECE, entidade de classe representante legal dos trabalhadores em empresas de segurança eletrônica manifesta seu profundo repúdio contra a conduta antissindical da empresa Corpvs Segurança Eletrônica, que vem perseguindo os dirigentes sindicais desde a sua fundação em 2014, na tentativa de […]
11 junho 2018

CONTRASP reivindica medidas urgentes contra ataques a carros-fortes na ABTV e Fenaval

Entre inúmeras ações realizadas contra os ataques a carros-fortes no Brasil, a CONTRASP, esteve na manhã de ontem (05/06), em Brasília, com a ABTV e a Fenaval cobrando medidas urgentes também das empresas para inibir os sinistros que estão massacrando os vigilantes. Os números são alarmantes. A Pesquisa Nacional da CONTRASP denuncia  56 ataques a […]
6 junho 2018

SP: Vigilante reage e evita roubo a loja de móveis e eletrodomésticos

Neste sábado (02/06), um homem tentou furtar uma loja de móveis e eletrodomésticos, mas acabou morto pelo vigilante do estabelecimento. A ação ocorreu em Guarujá (SP), quando o assaltante se escondeu num armário até o fechamento do local. Quando o suspeito começou a mexer nos produtos da loja, foi surpreendido pelo vigilante. O assaltante atirou […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo Segurança Privada – Outubro 2017

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083