Sindicalize-se agora!
18 de janeiro de 2019
MENU 11 3363.3310

3 de julho de 2017

Imprimir

PF realiza operação para combater serviços de segurança privada clandestina

Segundo a Polícia Federal, a investigação constatou a participação de um “alto número” de policiais nos serviços irregulares. Ação ocorre em todos os Estados

Manaus – A Polícia Federal realiza, nesta sexta-feira (30), operação para combater serviços clandestinos de segurança privada em todos os Estados do País. A corporação informou ter constatado um “alto número de agentes públicos envolvidos com a segurança privada irregular, na sua maioria policiais ou outros agentes da segurança pública”, e destacou o “número de mortes” desses servidores.

Cerca de 500 policiais federais participam da operação Segurança Legal, que está sendo realizada durante todo o dia nos 27 Estados e “visa a encerrar definitivamente as atividades de empresas que executam segurança privada sem a devida autorização”. A meta da PF é alcançar pelo menos 10% das empresas em atividade de segurança hoje no País.

De acordo com a Federal, a contratação de serviços clandestinos de segurança privada coloca em risco a integridade física e o patrimônio dos tomadores do serviço, já que esses seguranças não são checados pela PF quanto aos seus antecedentes criminais, formação, aptidão física e psicológica.

Os equipamentos utilizados na segurança irregular podem, também, ter origem em outras atividades ilícitas, como armas e munições de origem irregular ou contrabandeadas.

No Brasil, existem mais de 2,5 mil empresas de segurança privada legalizadas. Segundo estimativa da PF, o número de empresas clandestinas que atuam no setor é quase o dobro e movimente, por ano, em torno de R$ 60 bilhões.

Além disso, os profissionais – vigilantes – devem realizar o curso de formação de vigilantes em escola autorizada pela Polícia Federal e possuir cadastro na instituição.

Agentes públicos na mira

A Polícia Federal informou ter constatado um “alto número de agentes públicos envolvidos com a segurança privada irregular, na sua maioria policiais ou outros agentes da segurança pública”. Também segundo a PF, “chamou atenção o número de mortes de servidores da segurança pública fora de serviço e que, em número considerável, estariam exercendo atividades privadas de segurança privada de forma irregular”.

A prática da atividade clandestina de segurança privada é crime e a pena é de prisão de três meses a dois anos, também para o tomador de serviço que insista na contratação irregular.

Fonte: D24am

Fonte: CONTRASP - http://contrasp.org.br/noticia/pf-realiza-operacao-para-combater-servicos-de-seguranca-privada-clandestina

Mais notícias

16 janeiro 2019

Bom dia CONTRASP

Edição 501 de 2 de janeiro de 2019. Acesse o link e confira as edições do boletim eletrônico da CONTRASP. Bom Dia CONTRASP
14 janeiro 2019

Governo estuda desoneração ‘universal’ da folha de pagamento

“A desoneração da folha de salários aconteceu muito em cima de demandas específicas, pontuais, de negociações muito setoriais. O que estamos trabalhando é na desoneração da folha de maneira universal, ampla, geral e sistêmica. O impacto que terá na economia certamente será muito maior e positivo”, disse Cintra ao chegar ao Tribunal de Contas da […]
11 janeiro 2019

Sem Justiça do Trabalho haveria caos administrativo e jurisprudencial

Sem detalhar a proposta, o presidente e parte de seus apoiadores apresentam uma série de argumentos a favor da medida: o ramo trabalhista do Poder Judiciário seria lento e causaria insegurança jurídica por conta das diversas posições que há em seu interior. Ainda segundo Bolsonaro, a Justiça do Trabalho seria uma exclusividade do Brasil. Além […]
9 janeiro 2019

Visitantes do Cristo Redentor são alertados por vigilantes sobre perigo de assaltos em trilha

Sete turistas argentinas chegaram animadas ao Parque Lage. Com mochilas, tênis adequados e garrafas d’água, elas haviam se preparado para fazer uma trilha até o Cristo Redentor, seguindo uma dica de amigos portenhos que vieram ao Rio no ano passado. Mas, no local, foram aconselhadas a desistir do programa. Um vigilante patrimonial do Parque Nacional […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo da Segurança Privada – Janeiro/2019

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083