Sindicalize-se agora!
22 de janeiro de 2018
MENU 11 3363.3310

3 de julho de 2017

Imprimir

PF realiza operação para combater serviços de segurança privada clandestina

Segundo a Polícia Federal, a investigação constatou a participação de um “alto número” de policiais nos serviços irregulares. Ação ocorre em todos os Estados

Manaus – A Polícia Federal realiza, nesta sexta-feira (30), operação para combater serviços clandestinos de segurança privada em todos os Estados do País. A corporação informou ter constatado um “alto número de agentes públicos envolvidos com a segurança privada irregular, na sua maioria policiais ou outros agentes da segurança pública”, e destacou o “número de mortes” desses servidores.

Cerca de 500 policiais federais participam da operação Segurança Legal, que está sendo realizada durante todo o dia nos 27 Estados e “visa a encerrar definitivamente as atividades de empresas que executam segurança privada sem a devida autorização”. A meta da PF é alcançar pelo menos 10% das empresas em atividade de segurança hoje no País.

De acordo com a Federal, a contratação de serviços clandestinos de segurança privada coloca em risco a integridade física e o patrimônio dos tomadores do serviço, já que esses seguranças não são checados pela PF quanto aos seus antecedentes criminais, formação, aptidão física e psicológica.

Os equipamentos utilizados na segurança irregular podem, também, ter origem em outras atividades ilícitas, como armas e munições de origem irregular ou contrabandeadas.

No Brasil, existem mais de 2,5 mil empresas de segurança privada legalizadas. Segundo estimativa da PF, o número de empresas clandestinas que atuam no setor é quase o dobro e movimente, por ano, em torno de R$ 60 bilhões.

Além disso, os profissionais – vigilantes – devem realizar o curso de formação de vigilantes em escola autorizada pela Polícia Federal e possuir cadastro na instituição.

Agentes públicos na mira

A Polícia Federal informou ter constatado um “alto número de agentes públicos envolvidos com a segurança privada irregular, na sua maioria policiais ou outros agentes da segurança pública”. Também segundo a PF, “chamou atenção o número de mortes de servidores da segurança pública fora de serviço e que, em número considerável, estariam exercendo atividades privadas de segurança privada de forma irregular”.

A prática da atividade clandestina de segurança privada é crime e a pena é de prisão de três meses a dois anos, também para o tomador de serviço que insista na contratação irregular.

Fonte: D24am

Fonte: CONTRASP - http://contrasp.org.br/noticia/pf-realiza-operacao-para-combater-servicos-de-seguranca-privada-clandestina

Mais notícias

19 janeiro 2018

Governo reajusta salário mínimo abaixo da inflação e prejudica 22 milhões de aposentados

Ao reajustar o salário mínimo com índices abaixo da inflação pelo segundo ano consecutivo, o governo conseguiu piorar o que já era ruim. Conforme o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), o acumulado nos últimos 12 meses foi de 2,07%, enquanto o governo repassou apenas 1,81%. Com essa medida absurda e insensata, sob o […]
18 janeiro 2018

SEEVISSP manifesta repúdio às notícias de ameaças, violência e armas que têm sido compartilhadas de forma irresponsável

Diante de diversos áudios e imagens que têm sido compartilhadas em grupos do aplicativo WhatsApp, nos quais pessoas mal-intencionadas se preparam para uma suposta manifestação nos próximos dias 22 e 23 de janeiro, em frente à sede do sindicato,  o SEEVISSP manifesta seu total repúdio a esse tipo de movimento organizado por criminosos que incitam […]
18 janeiro 2018

TERROR: Vigilantes têm supostas bombas presas no corpo em ataque a carro-forte em Porto Alegre (RS)

Logo no dia seguinte, em Pernambuco, dois vigilantes foram baleados em serviço A guerra na segurança privada tomou proporções perturbadoras e os vigilantes seguem encarando a morte diariamente. Nesta quinta-feira (11/01), quatro vigilantes passaram por momentos aterrorizantes num ataque cruel na zona norte de Porto Alegre. Foram cerca de cinco criminosos que atacaram o carro-forte, […]
10 janeiro 2018

Banco é condenado a indenizar funcionário que realizava transporte de valores irregular na Bahia

Mais um caso que visa apenas o lucro a qualquer custo, colocando a vida dos trabalhadores e da comunidade em risco. Desta vez, ocorreu em uma agência do Bradesco em Amargosa, na Bahia, que imputava a um supervisor administrativo do banco a realizar o transporte de valores irregular. A 1ª Turma do Tribunal Regional do […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo Segurança Privada – Outubro 2017

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083