Sindicalize-se agora!
21 de fevereiro de 2018
MENU 11 3363.3310

4 de setembro de 2017

Imprimir

Para a justiça brasileira e o Governo, vigilante tem que morrer

Chega ao absurdo o desconhecimento da profissão do vigilante pelas autoridades. Uma profissão de risco, de coragem, de verdadeiros heróis é tratada com descaso.

Os vigilantes atuam defendendo o patrimônio e vida. Mas, para isso, o Estado não permite armamentos adequados e a reação dos profissionais é condenada. Para eles, vigilante não pode proteger a sua vida, tem mesmo é que morrer.

A exemplo do caso julgado no Rio, em que os vigilantes tiveram a sua ação condenada por reagirem a um assalto. É absurda que o saldo de uma vítima baleada seja imputada a reação dos trabalhadores que colocam sua vida em risco. Não aos bandidos, não a falta de segurança pública, a inexistência de medidas efetivas e não a um Governo que não protege a sociedade e muito menos os trabalhadores.

O que precisamos é de melhores condições de trabalho. De um armamento que iniba as ações criminosas. De um Governo que pense e atue pela segurança, e não impute suas responsabilidades aos trabalhadores que defendem a vida e o patrimônio.

Outro exemplo é o último sinistro ocorrido no Rio de Janeiro, em que a Rede Record traz um suposto especialista afirmando que armar melhor o trabalhador só traria prejuízos, dizendo ainda que o risco de armar o vigilante é muito maior para a população.

“O risco da sociedade não se faz presente com trabalhadores treinados e bem armados. O verdadeiro risco se faz presente com bandidos e criminosos extremamente armados, matando trabalhadores e a população”, afirma Celso Adriano Gomes da Rocha, Diretor da CONTRASP e Presidente da FITV e do SEESVIG/MS.

É revoltante perceber que para as grandes mídias, para o Governo e alguns especialistas, o vigilante tem o dever de proteger, mas não o direito de se defender. Enquanto a sociedade, o Governo e a segurança pública não tiverem a consciência do heroísmo e risco diário dos nossos trabalhadores, a justiça e a sociedade continuarão, por ignorância, imputando a nós a responsabilidade de sinistros como estes.

A CONTRASP cobrará dos governantes a mudança de nosso armamento e repudia o comentário do especialista de segurança sobre o assalto.

 

Fonte: CONTRASP - http://contrasp.org.br/noticia/para-a-justica-brasileira-e-o-governo-vigilante-tem-que-morrer

Jornal SEEVISSP

Informativo Segurança Privada – Outubro 2017

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083