Sindicalize-se agora!
17 de junho de 2019
MENU 11 3363.3310

7 de janeiro de 2019

Imprimir

O salário mínimo passou a R$ 998,00; o DIEESE explica porque

A partir de 1º de janeiro de 2019, o salário mínimo passou a R$ 998,00, conforme anunciado pela presidência da República. Esse valor representa 4,61% sobre os R$ 954,00 que vigoraram em 2018 e deve equivaler – conforme prevê a política de valorização do salário mínimo – à estimativa da variação anual do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para 2018, acrescida da variação do Produto Interno Bruto (PIB) de 2017.
Como até o momento só se conhece a variação do PIB de 2017, que correspondeu a 1,1%, a avaliação do valor anunciado ainda depende do resultado definitivo do índice de preços de 2018, ora estimado em 3,48%1.

A política negociada e a lei de valorização do salário mínimo
A política de valorização do salário mínimo foi conquistada como resultado da ação conjunta das Centrais Sindicais, por meio das “Marchas a Brasília”. As marchas foram realizadas anualmente no fim de cada um dos anos entre 2004 e 2009. As duas primeiras marchas, em 2004 e 2005, conquistaram reajustes expressivos para o salário mínimo nos anos seguintes. Com a terceira Marcha, no final de 2006, e por meio de negociação com o então Ministro do Trabalho, foram conquistados o aumento do valor do salário mínimo de 2007 e a adoção de uma política de valorização desse instrumento, a vigorar a partir de 2008. O mecanismo de valorização adotado foi: primeiro, reposição das perdas inflacionárias desde o último reajuste, pelo INPC, do IBGE; segundo, aumento real de acordo com o crescimento do PIB referente ao ano anterior ao último (por ser um dado já conhecido no momento do aumento); e, terceiro, antecipação gradativa, a cada ano, da data de reajuste, até fixála em 1º de janeiro. Além disso, estabeleceu-se um longo processo de valorização, que deveria perdurar até 2023.
Até o novo valor do mínimo de 2011, a política de valorização foi aplicada mesmo não sendo estipulada por lei. Apenas em fevereiro de 2011 aprovou-se projeto de lei estabelecendo o mecanismo de aumento anual até 20152 . Em julho de 2015, tornou-se lei a Medida Provisória que dava continuidade à valorização do salário mínimo nos moldes anteriores – com reajustes e aumento. Portanto, depois do reajuste e aumento de janeiro de 2019, do ponto de vista legal, não existe mais política voltada para o salário mínimo. Isso impõe a necessidade de avaliação dos efeitos dessa política e a defesa de sua continuidade.

Veja o documento na íntegra aqui NT 201 – Salário Mínimo

Fonte: Rádio Peão - https://radiopeaobrasil.com.br/o-salario-minimo-passou-a-r-99800-o-dieese-explica-porque/?fbclid=IwAR28TKrjtNOL05IOtTH6a6hj1xq4dWHJ7KyiGRz7DRfNhf_h9U8XYupOh28

Mais notícias

17 junho 2019

Bom dia CONTRASP

Edição 501 de 2 de janeiro de 2019. Acesse o link e confira as edições do boletim eletrônico da CONTRASP. Bom Dia CONTRASP
12 junho 2019

Metrô, ônibus e trens prometem parar no dia 14

Trabalhadores da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), das linhas 1, 2 e 3 do metrô, 15 (monotrilho) e dos ônibus municipais de São Paulo decidiram aderir à greve geral contra a reforma da Previdência, marcada para dia 14 de junho. Crédito: Divulgação A informação foi confirmada pelos sindicatos que representam as categorias e pela […]
24 maio 2019

MP 871: veja como o trabalhador garante o auxílio-doença

O trabalhador que fica desempregado precisa ficar de olho no calendário para evitar o risco de perder o direito aos benefícios do INSS, em especial o auxílio-doença. Desde janeiro, o governo Bolsonaro (PSL) aumentou a exigência de novas contribuições para que o segurado volte a ter a cobertura previdenciária. Chamada de qualidade de segurado, ela […]
14 maio 2019

Dieese promove primeiro curso a distância sobre reforma da Previdência

A economista e coordenadora de pesquisas do Dieese, Patrícia Pelatieri, vai ministrar o curso. As inscrições podem ser feitas pelo site da instituição e o valor é de R$ 120. A Escola Dieese destaca que trabalhadores, dirigentes sindicais e militantes associados aos sindicatos parceiros têm desconto. “Queremos justamente deixar o conhecimento que o Dieese tem […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo da Segurança Privada – Janeiro/2019

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083