Sindicalize-se agora!
20 de maio de 2018
MENU 11 3363.3310

4 de dezembro de 2017

Imprimir

Movimento sindical fez pressão e taxa básica de juros pode ser reduzida ao menor nível da história

Ao longo dos vários anos, início de cada mês, o movimento sindical esteve presente na Avenida Paulista, 1804. Alí é a sede do Banco Central na cidade de São Paulo. E era para protestar contra a alta da taxa de juros. E parece que deu resultado: a taxa básica de juros, a Selic, poderá chegar ao menor nível da história na próxima quarta-feira (6).

A expectativa de instituições financeiras é que a taxa básica seja reduzida de 7,5% ao ano para 7% ao ano, na última reunião de 2018 do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC).

Se a expectativa se confirmar, será o décimo corte seguido na taxa básica. Em outubro, o Copom reduziu, por unanimidade, a Selic em 0,75 ponto percentual, de 8,25% ao ano para 7,5% ao ano. Com essa redução, a taxa se igualou ao nível de maio de 2013.

De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano, no menor nível da história, e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015, patamar mantido nos meses seguintes. Somente em outubro do ano passado, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia.

Previdência

O diretor da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade, Miguel José Ribeiro de Oliveira, também espera por redução de 0,5 ponto percentual na reunião desta semana, porque a inflação baixa permite mais esse corte.

A expectativa do mercado financeiro é que a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), termine este ano em 3,06%, quase no piso da meta (3%). Essa meta tem como centro 4,5%. Para 2018, a previsão é que a inflação fique um pouco maior, mas ainda abaixo do centro da meta, em 4,02%.

No próximo ano, devem pesar nas decisões do Copom preocupações com os gastos públicos e a não aprovação da reforma da Previdência. Com indicações de que a reforma possa não ser votada, o mercado financeiro enfrenta oscilações, com queda da bolsa e alta do dólar. O dólar mais caro pressiona a inflação com o aumento dos custos de bens importados.

Redução

Outro fator que vai influenciar o movimento do mercado são as eleições no próximo ano, a depender de quem serão só candidatos e quais estarão à frente nas pesquisas. “Isso pode trazer preocupações”, disse Oliveira.

Mesmo assim, Oliveira disse acreditar que há alguma chance de o Copom voltar a reduzir a Selic no início de 2018 para 6,75%, porque ainda há um 12,7 milhões de desempregados no país, o que reduz a pressão sobre o consumo.

Mas, na avaliação do diretor da Anefac, essa taxa deve voltar a subir no meio do ano. “Vai subir pouco: 0,25 ponto percentual. Não vamos mais voltar ao que tinha no passado”, prevê.

Selic

Segundo Oliveira, consumidores e empresas ainda não têm o que comemorar com as reduções da Selic. Isso porque a diferença entre a taxa Selic e os juros cobrados nos empréstimos aos consumidores ainda é grande. “Só teremos uma queda efetiva e mais acentuada para os consumidores e empresas quando tivemos um ambiente de redução da inadimplência e uma melhora do quadro de desemprego, que reduz o risco. As taxas de juros ficarão por um tempo em patamares elevados”, acrescentou Oliveira.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia.

Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Ao reduzir os juros básicos, a tendência do Copom é baratear o crédito e incentivar a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação.

Com Agência Brasil

Fonte: Rádio Peão Brasil - http://radiopeaobrasil.com.br/taxa-basica-de-juros-pode-ser-reduzida-ao-menor-nivel-da-historia-nesta-semana-o-movimento-sindical-fez-pressao/?utm_campaign=Informativo+Noticias+do+Dia&utm_content=Movimento+sindical+fez+press%C3%A3o+e+taxa+b%C3%A1sica+de+juros+pode+ser+reduzida+ao+menor+n%C3%ADvel+da+hist%C3%B3ria+-+R%C3%A1dio+Pe%C3%A3o+Brasil+%281%29&utm_medium=email&utm_source=EmailMarketing&utm_term=Informativo+Noticias+do+Dia+-04.12.2017

Mais notícias

18 maio 2018

Se a economia está melhorando, por que a falta de trabalho bate recorde?

A economia do país está melhorando devagar, mostram indicadores oficiais mas, então, por que ainda há muito desemprego? Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados na quinta-feira (17) mostram que falta trabalho para 27,7 milhões de pessoas, um recorde desde a criação dessa série histórica, em 2012. O economista Thiago Xavier, analista da Tendências Consultoria, diz […]
18 maio 2018

Bom dia CONTRASP

      Acesse o link e confira as edições do boletim eletrônico da CONTRASP. Bom Dia CONTRASP
17 maio 2018

Servidores querem eleger bancada para barrar reforma da Previdência

Para entidades que representam o setor, o ideal é eleger uma bancada com mais de 308 dos 513 deputados para derrubar ainda a PEC do Teto dos Gastos, editada em 2016 para conter despesas De olho nas eleições deste ano, entidades de servidores públicos começaram a se organizar para criar uma bancada expressiva de apoio […]
17 maio 2018

STF dá um passo na análise do ganho real da aposentadoria acima do mínimo

Tribunal determina que decisão, quando for tomada, será de “repercussão geral”, para todos os casos O STF (Supremo Tribunal Federal) irá decidir se os benefícios do INSS podem ser revisados para receber reajustes anuais iguais aos aplicados ao salário mínimo, quando essa alternativa for a mais vantajosa para o segurado. Submetido ao plenário virtual pelo […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo Segurança Privada – Outubro 2017

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083