Sindicalize-se agora!
18 de janeiro de 2019
MENU 11 3363.3310

14 de julho de 2017

Imprimir

Em audiência na Polícia Federal, CONTRASP denuncia violência e exige segurança aos vigilantes de escolta armada

Em defesa aos vigilantes de escolta armada, que enfrentam ataques violentos praticamente todos os dias, a CONTRASP e Federações filiadas compareceram na Polícia Federal, em Brasília, na última terça-feira (11/07), denunciando a chacina e exigindo segurança aos vigilantes de escolta armada, com medidas urgentes para proteger a vida dos trabalhadores.

Por solicitação da FEV RJ – Federação dos Vigilantes do Estado do Rio de Janeiro, a audiência ocorreu às 15h, ocasião em que os representantes sindicais entregaram um documento exigindo mudanças urgentes.

“Pleiteamos a alteração do armamento para um calibre maior e automático, como um instrumento de trabalho para a defesa da vida. É preciso garantir o efetivo mínimo de quatro vigilantes na escolta, bem como a mudança de veículo com maior espaço, potencia e blindagem, além do aumento da fiscalização nas empresas de escolta armada”, afirma Antônio Carlos Oliveira, Diretor da FEV/RJ e Presidente do SindvigRIO.

“As empresas se preocupam apenas com a carga, não com a vida do trabalhador. Pedimos providencias em relação à quantidade de ataques que tem acontecido em todo o Brasil, em especial no Rio de Janeiro, onde companheiros têm perdido a vida ou, quando sobrevivem, carregam sequelas para a vida inteira”, afirma João Soares, Presidente da CONTRASP.

Como ocorreu com o vigilante de escolta armada Luiz Cláudio dos Santos, 45 anos, um sobrevivente de guerra que foi prestar seu depoimento na Polícia Federal. O companheiro sofreu um atentado, em que o carro que trabalhava foi alvejado por mais de 50 tiros e três deles atingiram o companheiro.

Ele foi atingido na cabeça, no ombro esquerdo e no braço esquerdo. Passou oito dias em coma induzido, perdendo uma visão, parte da audição e o movimento do braço esquerdo.

“Graças a Deus estou aqui para poder lutar por melhorias na escolta armada. Sofro muito, pelo o que eu enfrentei, limitado pelas minhas sequelas, e principalmente pelo o que os meus companheiros sofrem no exercício da profissão”, contou Luiz Cláudio Antônio dos Santos.

Hoje, o que o motiva, é luta por melhoria na classe dos vigilantes, junto aos representantes sindicais.

Após o ato, a pauta tramitará com urgência na próxima reunião da Comissão Consultiva para Assuntos da Segurança Privada (CCASP). A CONTRASP também orienta a todos Sindicatos e Federações a atuarem ativamente com denúncias sobre as irregularidades na Polícia Federal, que devem ser encaminhadas no e-mail: cgcsp@dpf.gov.br com cópia para contrasp@outlook.com

IMG_2134

IMG_2136

IMG_2148

IMG_2153

IMG_2160

IMG_2175

IMG_2198

IMG_2236

Fonte: CONTRASP - http://contrasp.org.br/noticia/em-audiencia-na-policia-federal-contrasp-denuncia-violencia-e-exige-seguranca-aos-vigilantes-de-escolta-armada

Mais notícias

16 janeiro 2019

Bom dia CONTRASP

Edição 501 de 2 de janeiro de 2019. Acesse o link e confira as edições do boletim eletrônico da CONTRASP. Bom Dia CONTRASP
14 janeiro 2019

Governo estuda desoneração ‘universal’ da folha de pagamento

“A desoneração da folha de salários aconteceu muito em cima de demandas específicas, pontuais, de negociações muito setoriais. O que estamos trabalhando é na desoneração da folha de maneira universal, ampla, geral e sistêmica. O impacto que terá na economia certamente será muito maior e positivo”, disse Cintra ao chegar ao Tribunal de Contas da […]
11 janeiro 2019

Sem Justiça do Trabalho haveria caos administrativo e jurisprudencial

Sem detalhar a proposta, o presidente e parte de seus apoiadores apresentam uma série de argumentos a favor da medida: o ramo trabalhista do Poder Judiciário seria lento e causaria insegurança jurídica por conta das diversas posições que há em seu interior. Ainda segundo Bolsonaro, a Justiça do Trabalho seria uma exclusividade do Brasil. Além […]
9 janeiro 2019

Visitantes do Cristo Redentor são alertados por vigilantes sobre perigo de assaltos em trilha

Sete turistas argentinas chegaram animadas ao Parque Lage. Com mochilas, tênis adequados e garrafas d’água, elas haviam se preparado para fazer uma trilha até o Cristo Redentor, seguindo uma dica de amigos portenhos que vieram ao Rio no ano passado. Mas, no local, foram aconselhadas a desistir do programa. Um vigilante patrimonial do Parque Nacional […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo da Segurança Privada – Janeiro/2019

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083