Sindicalize-se agora!
21 de fevereiro de 2019
MENU 11 3363.3310

21 de setembro de 2018

Imprimir

Dieese: 81% das greves em 2017 são por direitos descumpridos

Segundo balanço das greves divulgado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), em 2017 foram realizadas 1.566 greves no País. Este número representa uma queda de 25% em relação às paralisações deflagradas no ano de 2016.

Por Fábio Casseb – Os trabalhadores do setor público fizeram o maior número de paralisações (814 registros – sendo 728 do funcionalismo público e 86 nas empresas estatais), enquanto os trabalhadores da esfera privada realizaram 746.

Além de marcar o centenário da grande greve de 1917, em São Paulo, 2017 foi também o ano que contabilizou três protestos de dimensões nacionais contra as reformas previdenciária e trabalhista propostas pelo governo federal: a greve do dia 15 de março, a greve geral do dia 28 de abril e os protestos e paralisações do dia 30 de junho.

Sergio Luiz Leite, Serginho, 1º secretário da Força Sindical e presidente da Fequimfar, destaca que o balanço apresentado pelo Dieese deixa claro que a orientação do movimento sindical para que os trabalhadores travem essa luta pelos direitos tem chegado à base.

“De forma geral, o balanço das greves demonstra exatamente o que o movimento sindical tem defendido após a aprovação da reforma trabalhista. A importância da mobilização da classe trabalhadora para apresentar resistência diante da ofensiva patronal e garantir os direitos conquistados ao longo de anos de luta.”

Balanço

Ao contrário de greves propositivas, que têm como objetivo pressionar pela ampliação e conquista de direitos, 81% das greves de 2017 incluíam uma pauta “defensiva”, ou seja: foram mobilizações voltadas ao cumprimento dos direitos já assegurados.

Entre as principais reivindicações dos trabalhadores brasileiros (públicos e privados) estão a exigência de regularização de salários, férias e 13º salário ou vale salarial em atraso (presente na pauta de 44% das greves). O reajuste de salários e pisos vem a seguir (presente em 32% das paralisações).

“A reforma trabalhista está prestando um desserviço a todos os brasileiros, e isto pode ser notado no balanço divulgado pelo Dieese, pois os empregadores estão aproveitando o novo cenário nas relações trabalhistas para descumprir acordos, muitos deles históricos, conquistados por meio da luta da classe trabalhadora”, avalia o secretário-geral da CTB, Wagner Gomes.

O estudo do Dieese aponta que a piora das condições econômicas dá aos trabalhadores menos chances de fazer greve para reivindicar novos direitos. “Sem deixar de abordar aqueles direitos historicamente descumpridos, as greves passam a ocorrer, cada vez mais, no campo das reações imediatas, urgentes: contra a realização de demissões e contra o atraso no pagamento de salários”, afirma Clemente Ganz Lúcio, diretor técnico do Dieese.

Confira um resumo das greves

Veja balanço completo do Dieese

Fonte: Rádio Peão - https://radiopeaobrasil.com.br/dieese-81-das-greves-em-2017-sao-por-direitos-descumpridos/

Mais notícias

19 fevereiro 2019

Bom dia CONTRASP

Edição 501 de 2 de janeiro de 2019. Acesse o link e confira as edições do boletim eletrônico da CONTRASP. Bom Dia CONTRASP
21 janeiro 2019

Previdência: governo ignora centrais sindicais na formulação da reforma

Enquanto lida com pressões de setores influentes, como militares – que querem ficar de fora da reforma e com forte presença no governo – e servidores públicos, categoria capaz de forte pressão no Congresso, a equipe que elabora os detalhes finais da proposta para endurecer as regras da aposentadoria não abriu as portas para dialogar […]
14 janeiro 2019

Governo estuda desoneração ‘universal’ da folha de pagamento

“A desoneração da folha de salários aconteceu muito em cima de demandas específicas, pontuais, de negociações muito setoriais. O que estamos trabalhando é na desoneração da folha de maneira universal, ampla, geral e sistêmica. O impacto que terá na economia certamente será muito maior e positivo”, disse Cintra ao chegar ao Tribunal de Contas da […]
11 janeiro 2019

Sem Justiça do Trabalho haveria caos administrativo e jurisprudencial

Sem detalhar a proposta, o presidente e parte de seus apoiadores apresentam uma série de argumentos a favor da medida: o ramo trabalhista do Poder Judiciário seria lento e causaria insegurança jurídica por conta das diversas posições que há em seu interior. Ainda segundo Bolsonaro, a Justiça do Trabalho seria uma exclusividade do Brasil. Além […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo da Segurança Privada – Janeiro/2019

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083