Sindicalize-se agora!
24 de junho de 2017
MENU 11 3363.3310

16 de maio de 2017

Imprimir

Contra as Propostas de Reformas: Marcha para Brasília acontece no dia 24 de Maio

29525-centrais-jaja

As centrais sindicais Força Sindical, CTB, CUT, UGT, Nova Central, Intersindical, CGTB e CSP-Conlutas realizarão, no dia 24, uma Marcha a Brasília em protesto contra as propostas de reformas trabalhista e previdenciária, que estão em tramitação no Congresso Nacional. “Unidos, vamos lutar para manter os direitos dos trabalhadores”, declarou Paulo Pereira da Silva, Paulinho, presidente da Força Sindical.

As centrais estão se reunindo semanalmente para planejar a mobilização dos trabalhadores. Os dirigentes sindicais, após a definição do dia 24 de maio como a data da grande Marcha das Centrais a Brasília, discutiram a mobilização e a infraestrutura que será construída pelas centrais. A Marcha ocupará Brasília na semana da votação da PEC 287 (Previdência) pelo plenário da Câmara dos Deputados. “Queremos uma Previdência justa e sem privilégios”, diz Paulinho.

No dia 11, Paulinho fez um discurso no plenário do Senado, na Sessão Temática realizada para debater a reforma trabalhista. Ele disse que “o Senado precisa fazer reparos no Projeto de Lei da Câmara (PLC) 38/2017, a chamada reforma trabalhista, para corrigir equívocos impressionantes contidos na proposta.

Para Paulinho, entre os equívocos está a onda contra o movimento sindical, que enfraquece somente os sindicatos de trabalhadores ao permitir a criação de comissões no interior das empresas, nas quais os empresários poderão dar opiniões quanto à sua composição no intuito de fazer a livre negociação dos salários. Os sindicatos dos patrões não terão mudanças.

“Não posso dizer que não teve debate na Câmara. O relator ouviu, mas não atendeu às nossas reivindicações. Espero que o Senado faça os reparos necessários”, destacou o presidente da Força Sindical. Para Paulinho, o Senado precisa corrigir, senão vai destruir a organização dos trabalhadores, o que nem a ditadura conseguiu.

Paulinho lembrou, ainda, que todos falam que os sindicatos não servem para nada, mas eles negociam e aumentam os salários de sindicalizados ou não todos os anos. “Garantimos o mercado interno para fazer a economia girar”, disse.

Outros pontos citados pelo presidente da Força foram a contratação de PJs (Pessoa Jurídicas), o que reduzirá a formalização (contratação em carteira) e a arrecadação do governo; a jornada intermitente, que impõe pagamento de multa se o trabalhador não conseguir comparecer ao trabalho quando convocado; o pagamento de indenizações em espécie dentro das empresas; a possibilidade de acordo, com saque de uma parte dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que vai minar o dinheiro do Fundo.

Fonte: Força Sindical - http://www.fsindicalsp.org.br/novo/index.php?option=com_content&view=article&id=5306:contra-as-propostas-de-reformas-marcha-para-brasilia-acontece-no-dia-24-de-maio&catid=2:noticia&Itemid=2

Mais notícias

23 junho 2017

Pesquisa: Enquete do Senado aponta que 95% não querem Reforma Trabalhista

A pesquisa representa um universo de mais de 135 mil internautas que responderam à enquete do Senado sobre a reforma trabalhista apresentada pelo governo Michel Temer e 95,7% defendem que o projeto deve ser rejeitado. Sob análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o projeto de lei complementar (PLC 38/17) rejeitado pela Comissão de […]
23 junho 2017

Vigilante reage e evita assalto em escola em Lajeto (PE)

Um criminoso pulou o muro da Escola Municipal Zélia Mour nesta terça-feira (20/06), em Lajeto, Agreste Pernambucano. Com uma faca atacou e ameaçou o vigilante do local, que reagiu a investida. O vigilante reagiu bravamente à ação e atirou contra o criminoso, que morreu no local. A CONTRASP – Confederação Nacional dos Trabalhadores de Segurança […]
22 junho 2017

Saiba como fica agora a reforma trabalhista

Mesmo após a derrota na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), o projeto de lei da reforma trabalhista segue o trâmite normal no Senado Federal. Amanhã, o relatório será lido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A intenção é votar o texto na CCJ próxima quarta-feira, 28 de junho. Assim, a matéria ficaria livre para […]
22 junho 2017

Comissão no Senado rejeita relatório da reforma trabalhista

  Representando uma clara rejeição ao governo perverso de Temer e suas tentativas de roubar os direitos dos trabalhadores, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal rejeitou, nesta terça-feira (20/06), o relatório da reforma trabalhista. Foram 10 votos contra e 9 a favor ao relatório da reforma trabalhista, elaborado pelo senador Ricardo Ferraço […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Panfleto Unitário – Marcha à Brasília – 24/05/2017

Edição Especial Centrais Sindicais
Sem título Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083