Sindicalize-se agora!
15 de setembro de 2019
MENU 11 3363.3310

10 de agosto de 2012

Imprimir

COMO A SEGURANÇA PRIVADA PODE AJUDAR NO TRABALHO DA POLÍCIA

Márcia Brandão

Com o intuito de diminuir a criminalidade no bairro, moradores estão adotando serviços de vigilância privada para complementar o trabalho feito pela segurança pública. Os proprietários de imóveis no Residencial Parque dos Príncipes, localizado na zona Oeste da capital Paulista, há muito tempo aderiram à iniciativa. Para os policiais militares que atendem a região, ten. cel. Ulisses Puosso E cap. Eliel Pontirolli, o trabalho conjunto com a comunidade local tem gerados frutos positivos.

A parceria entre a segurança pública e privada tem gerado frutos positivos no Residencial Parque dos Príncipes.

A segurança é dever do Estado, garante a Constituição nacional, mas com os altos índices de criminalidade registrados no País, a sensação de insegurança tem feito com que a população recorra à contratação de empresas especializadas em proteção patrimonial e pessoal.

Só no Brasil, há 2 mil empresas que atuam no mercado de segurança privada. O faturamento do setor chega a movimentar R$ 32 bi anuais, conforme mostra o levantamento da Abrevis – Associação Brasileira das Empresas de Vigilância. Além disso, o número de vigilantes particulares, hoje em 600 mil, ultrapassa o contingente das polícias Federal, Civil e Militar que é de 500 mil. Só a cidade de São Paulo conta com 100 mil profissionais fardados.

Por tudo isso, o trabalho conjunto entre a segurança privada e a pública, como acontece no Residencial Parque dos Príncipes, bairro do Butantã, zona Oeste de São Paulo, mostra-se eficaz para inibir a violência urbana.

Para Ulisses Puosso, tenente-coronel do 16º Batalhão da Policia Militar Metropolitano (BPM/M) a parceria com a segurança privada é essencial para o compartilhamento de informações. “Os vigilantes são fundamentais para completar o trabalho de proteção à população. Esses profissionais nos dão apoio nas ocorrências, se antecipam nas tentativas de crime acionando a polícia. Além disso, esses seguranças fazem um levantamento da criminalidade na região e compartilham os dados conosco para que sejam tomadas providências para combater a violência”, ressalta.

“Não há como negar a importância da segurança privada. Sua ausência pode agravar ainda mais os casos de roubos e furtos na região. A aproximação desse serviço com a Polícia Militar é extremamente útil para combater a criminalidade”, afirma Winfried Ludewig, vice-presidente do Conselho Superior da APRPP – Associação dos Proprietários do Residencial Parque dos Príncipes.

Sobre a parceria com a APRPP, Puosso diz que o trabalho se intensificou no início de março deste ano, após tentativas de roubos no Residencial. Para se ter uma ideia do problema o número de ocorrências no Parque dos Príncipes foi de 1 em janeiro, 2 em fevereiro, aumentou para 8 em março e baixou para 4 em abril e 2 em maio. Já no mês de junho não foi registrada nenhuma ocorrência e em julho apenas 1. “Neste período, concentramos os nossos esforços aumentando a ronda com viaturas e motos da PM. Também colocamos nossa base móvel em determinadas ocasiões. Isso sem deixar de mencionar o apoio da equipe da segurança privada da associação. Por conta dessas iniciativas, a tendência dos índices de criminalidade é diminuir na região”, esclarece.

Já o capitão Eliel Pontirolli, responsável pelo comando da Polícia Militar da região Oeste da Capital, informa que a parceria da PM com a segurança privada, até o momento, tem gerado efeitos positivos. “No caso do Parque dos Príncipes, por ser uma área atípica, pois é bairro residencial planejado, com entradas e saídas localizadas, torna-se vulnerável por causa do entorno. Mesmo assim, a ocorrência de roubos e furtos é baixa, com índices parecidos aos condomínios fechados de Barueri e Santana do Parnaíba, por conta da vigilância preventiva”, acrescenta.

Segundo Pontirolli, os investimentos em segurança feitos pela APRPP também refletem na diminuição de roubos e furtos da região. “Os vigilantes são essenciais para levantar dados sobre a criminalidade do local. Eles atuam como nossos aliados na luta contra a violência e quem ganha com essa união é a população”, explica. Ele acrescenta: “A segurança só vai funcionar se todos nós cidadãos formos vigilantes. Não basta ter dispositivos tecnológicos e contratar profissionais especializados, se as nossas atitudes facilitarem a ação da criminalidade”.


Associação dos Proprietários do Residencial Parque dos Príncipes

Em 1983, os proprietários do loteamento Parque dos Príncipes criaram a “Sociedade Amigos do Parque dos Príncipes”, visando assegurar a qualidade de vida prevista nos contratos de compra dos lotes.

A atual denominação “Associação dos Proprietários do Residencial Parque dos Príncipes” – APRPP – surgiu em 2006, com a atualização do estatuto pelo novo Código Civil.

O Parque dos Príncipes situa-se parte em São Paulo (72% dos lotes) e parte em Osasco (28%). Os moradores de Osasco possuem sua própria associação. A APRPP representa somente os proprietários da área paulistana do loteamento, onde há 1.287 lotes, com 500 m2 em média, e áreas verdes que perfazem 236.261 m2.

As principais atribuições da APRPP são: zelar pela segurança dos moradores, exercendo vigilância privada em cooperação com a segurança pública; fazer respeitar as restrições de ocupação do solo e impedir atividades incompatíveis com a zona estritamente residencial (ZER1); cuidar das áreas verdes, evitando que haja degradações e que surjam pontos de insegurança; representar os residentes perante o poder público para fazer valer seus direitos, firmar parcerias e obter melhorias de infraestrutura e saneamento; promover a união dos moradores por meio de atividades e eventos sociais.

Fonte: SEGS

Mais notícias

12 setembro 2019

Bom dia CONTRASP

Edição 501 de 2 de janeiro de 2019. Acesse o link e confira as edições do boletim eletrônico da CONTRASP. Bom Dia CONTRASP
27 agosto 2019

Ação Coletiva: Mais um acordo é firmado pelo SEEVISSP

Informamos que os vigilantes que laboraram na IF3 Soluções em Segurança LTDA, em que foram constadas irregularidades, terão direito a receber uma indenização, proveniente de uma Ação Coletiva de Trabalho promovida pelo SEEVISSP em favor dos trabalhadores, pelo fato da empresa descumprir cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), ao não fornecimento de assistência médica […]
29 julho 2019

13º de aposentados do INSS deve sair no mês que vem

O decreto que antecipa para agosto o pagamento da primeira parcela do 13º salário de aposentados e pensionistas do INSS já está pronto para ser assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), que aguarda conclusão de estudo sobre a disponibilidade orçamentária para autorizar os créditos. A segunda parcela do bônus está programada para ser paga em […]
27 junho 2019

Dieese analisa relatório sobre PEC 06 e publica Nota Técnica

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos faz análise detalhada do relatório apresentado pelo deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) sobre a PEC 06/2019, editada por Jair Bolsonaro. Para Clemente Ganz Lucio, diretor-técnico do Dieese, houve avanços, mas é preciso estar atento. “Governo e ministro Guedes já sinalizaram que não vão aceitar as mudanças. E podem […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo da Segurança Privada – Janeiro/2019

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083