Sindicalize-se agora!
11 de dezembro de 2017
MENU 11 3363.3310

1 de dezembro de 2017

Imprimir

Após reforma, sindicatos passam a cobrar para homologar rescisão

FONTE: Folha de S. Paulo

A homologação é feita para conferir se os direitos –férias, décimo terceiro salá- rio proporcional, multa– foram pagos da maneira correta pela empresa

A reforma trabalhista, em vigor desde o dia 11, acabou com a necessidade de homologar rescisões de contratos de trabalho nos sindicatos. Algumas entidades, no entanto, mantiveram o serviço e, em alguns casos, passaram a cobrar por ele. As empresas pagam a taxa.

A reforma derrubou um trecho da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) que proibia a cobrança de taxa pela homologação de rescisão e permitiu expressamente que ela seja feita na empresa, e não mais no sindicato.

A homologação é feita para conferir se os direitos –férias, décimo terceiro salá- rio proporcional, multa– foram pagos da maneira correta pela empresa. Manter o serviço é uma das principais demandas sindicais depois da implementação da reforma trabalhista.

O Sindicato dos Comerciários de São Paulo (SEC-SP), ligado à UGT (União Geral dos Trabalhadores), continua praticando a homologação das rescisões e cobra uma taxa de R$ 35 das empresas.

A UGT afirma que a cobrança foi decidida em acordo com os empresários.

“A empresa é quem deve pagar, o trabalhador já está pagando com o emprego dele”, diz Ricardo Patah, presidente da UGT e do SEC-SP.
“É um serviço que custa caro, e agora podemos cobrir uma parte desse custo.”

O imposto sindical, extinto pela reforma, hoje representa 30% do orçamento do SEC-SP, de acordo com Patah, e a cobrança de uma taxa para homologar rescisões ajuda a recuperar essa verba.

No Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem de São Paulo, ligado à Força Sindical, o valor cobrado para a homologação é de R$ 60. A entidade diz que as empresas preferem pagar para garantir que não haverá passivo trabalhista depois.

COBRANÇA JUSTA

Para o secretário-geral da Força, João Carlos Gonçalves, Juruna, a cobrança é justa, já que o sindicato não é mais obrigado a fazer a homologação individual dos contratos.

Domingos Fortunato, advogado trabalhista do Mattos Filho, afirma que, se não estiver explícita na convenção coletiva, faria mais sentido se a taxa fosse cobrada do trabalhador.

“A empresa não pode ser obrigada a custear atividades sindicais.”

Delano Coimbra, assessor jurídico da FecomercioSP, diz que a obrigatoriedade de homologação “dá uma garantia maior para as empresas e para os escritórios contábeis que fazem os cálculos”.

Ele afirma que faz sentido que a empresa pague a taxa, pois é a principal interessada no serviço. “Manter a homologação é interessante para ambas as partes.”

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) diz não saber se os sindicatos ligados à central estão cobrando taxa.

Fonte: Força Sindical - http://www.fsindical.org.br/imprensa/apos-reforma-sindicatos-passam-a-cobrar-para-homologar-rescisao

Mais notícias

11 dezembro 2017

Sindfort-PE denuncia na Polícia Federal a clandestinidade na escolta armada

O Sindfort-PE está enfrentando uma guerra contra as empresas de transporte de cargas que utilizam a escolta clandestina e, neste momento, pede apoio nacional de todos contra a ilegalidade que virou uma verdadeira catástrofe em Pernambuco. O Sindicato reuniu documentos e denunciou na Polícia Federal a execução irregular do serviço, denunciando inclusive com nome e […]
8 dezembro 2017

Mais um: ataque a carro-forte em Bituruna (PR)

Na tarde de ontem, quarta-feira (06/12), criminosos explodiram um carro-forte da Proforte em Bituruna (PR), na PR-170. Segundo o Sindeesfort-PR, que acompanha o caso, os vigilantes tiveram ferimentos leves devido a fuga na mata. Fisicamente passam bem e agora passam por um processo de cuidados psicológicos. Foram cerca de seis criminosos que participaram da ação, […]
6 dezembro 2017

Criminosos explodem agência dos Correios e caixas eletrônicos no Agreste

Em Lagoa do Ouro, bandidos atingiram os Correios e o Bradesco, e em Correntes, destruíram agência do Bradesco. Ações foram realizadas na madrugada desta quarta (5), segundo a Polícia Civil. Criminosos explodiram na madrugada desta terça-feira (5) uma agência dos Correios e caixas eletrônicos no Agreste de Pernambuco. De acordo com a Polícia Civil, em […]
5 dezembro 2017

Agência bancária em Sena Madureira é invadida e armas de vigilantes são furtadas

Invasão ocorreu na madrugada deste domingo (3). Bandidos fizeram um buraco na parte de trás da agência para entrar. Uma agência bancária da cidade de Sena Madureira, interior do Acre, foi invadida na madrugada deste domingo (3) e as armas que são usadas pelos vigilantes foram furtadas na ação. A Polícia Militar do Acre (PM-AC) […]
+ Notícias

Jornal SEEVISSP

Informativo Segurança Privada – Outubro 2017

Edição
Download Todas edições
Sede
LARGO DO AROUCHE, 307
SÃO PAULO/SP CEP 01219-011
11 3363.3310
Subsede
RUA ANDRÉ LEÃO, 64 - BAIRRO SOCORRO
SÃO PAULO/SP - CEP 04762-030
11 5696.6083